24 março 2007

A fala do Corpo é multilingue


Mais "arroz integral", ou preciso de apanhar sol?
O texto em azul escuro que se segue é um comentário, deixado por António Rosa no meu último post. Pela importância extrema do seu conteúdo resolvi torna-lo um post.
Arroz integral encontra-se entre aspas porque entre nós é uma brincadeira que costumamos fazer: dizemos que quando alguém está a meditar, está a mastigar arroz integral.

Aprendemos as leis do universo, estudamos vários temas da espiritualidade. Procuramos novas técnicas, mantemo-nos informados, mas é obrigatório ultrapassar o corpo mental e colocar em prática os ensinamentos. Tratamos de aperfeiçoar a clareza com que escutamos os nossos guias e mestres, desenvolvemos o par de ouvidos internos e escutar o nosso corpo? Teremos por acaso nos esquecido que sem ele não podemos cumprir o propósito a qual nos propusemos?

Mais "arroz integral", ou preciso de apanhar sol?


Enquanto não cuidarmos de nós próprios, enquanto não decidirmos que a prioridade nesta vida está no nosso corpo físico e não nos apegos a que nos habituamos, não achegaremos a lado algum.

E cuidar de nós passa tão simplesmente por termos a intuição de sentir o corpo físico que temos.

Se me falta o ar por 1 segundo. Se sinto o latejar de um músculo, se não cuido de mim, então que faço aqui?

Aprendemos e vivemos na prática de respeitarmos os nossos corpos extra-físicos; fazemos todas as meditações que aprendemos; fazemos discursos interessantes sobre o silêncio a que nos devemos remeter. E ninguém nos ensina como cuidar de nós.

E cuidar de nós NÃO É ir a correr à loja e comprar a blusa bonita ou outra manifestação da personalidade (dito ego).

Tudo isso faz falta, mas não são essas coisas que nos trazem a auto-estima e o amor-próprio que tanto necessitamos para podermos prosseguir viagem.

Nas minhas consultas (e tu também) deparei-me frequentemente com pessoas que dizem cuidarem-se muito. Cuidam da sua personalidade. Não escutam o seu corpo.

Dei por mim há uns anos a rejeitar a carne e o álcool. Foi um processo gradual em que não intervim directamente.

Nesta fase da minha vida, sinto que o que me apetece comer é muita fruta, sobretudo em forma de salada, além de torradas. Nem percebo porquê. Mas estou a seguir esse pedido do corpo.

Uma amiga minha disse-me uma coisa que me perturbou, pois nunca olhara a questão dessa maneira:

Minha querida Magda, porque somos pioneiros de uma "ideia", somos submetidos a maiores exigências pelo outro lado do véu.

Vamos ver como termina este processo.

António Rosa

3 comentários:

A Mónada disse...

Abraço GRANDE e luminar para os dois António e Magda.

Também eu aqui relato que sujeito a um intenso stress por 11 dias e continuadas negociações em ambiente altamente hostil vi-me na necessidade de comer só saladas durante mais de 9 dias.

Tudo o resto me engoava a ponto de vomitar...

No final desses 11 dias tinha perdido 5Kg e este foi apenas o início de uma caminhada de onde só agora conheço alguma LUZ.

Estou completamente de acordo com o que o António aqui diz... Com os nossos pensamentos nós difundimos informações e conhecimentos a cada uma das nossas células.

Mas também as temos e saber escutar pois todas as coisas que elas nos dizem tem o seu significado... Mas para se estar focado nisso temos de sentir o amor pelo Ser Vivo que somos desde a sua integridade até à mais pequena das células do nosso corpo.

Quando sentires uma dor... Pergunta-te o que ela significa... sente a dor a partir do teu silêncio interior...

Na intuição deste silêncio surgirá sempre uma resposta...

Ouve o teu corpo, repeita a sua integridade, sente as suas necessidades e estarás a completar uma das mais importantes etapas do teu auto-conhecimento.

Que a FORÇA e LUZ estejam sempre ctg Magda e faz chegar esta mensagem ao António qdo voltares a estar com ele.

Fiquem bem os dois.

António Rosa disse...

À Magda e à Mónada

Os meus agradecimentos.

Um abraço.

Magda Moita disse...

A Monada!

Tal como pedis-te fiz chegar a tua mensagem ao António.

Obrigado pelo teu excelente comentário!

Beijinhos e abreijos,

que a FORÇA e LUZ estejam também sempre contigo.