20 fevereiro 2009

Desafio!


Letra da musica, clique aqui!




Lanço-vos um desafio:

“Continuando pelo périplo da «oficina amorosa»…” A.R.

O número de casais descontentes é cada vez maior. Observam-se as seguintes reclamações retratadas nestas causas: discussões constantes, silêncios arrepiantes, indiferença, maus tratos psicológicos ou físicos, enfim, uma panóplia imensa de efeitos secundários dos vírus, que deixamos instalar nas relações sem ter consciência, que mais dia, menos dia, o nosso sistema imunológico não vai resistir…

Não se maltrata quem se ama...


Verificamos que muitos destes casais vivem infelizes como inimigos e não se separam. E aqui eu pergunto: Qual a razão para dois seres supostamente unidos por amor chegarem a estados de profundo desamor? Porque é que não se separam?

Temos o compromisso de preservar o nosso Amor, porque nós somos amor, e este nunca desaparece. Pode porventura ficar adormecido, pode tão simplesmente esmorecer, mas nunca desaparece.

O estado de endurecimento do amor pode por ser irreversível, não sendo por isso possível continuar em determinada relação.
Se existisse essa consciência talvez não se viesse a verificar que por fim a raiva toma posse, não deixando qualquer espaço para outro sentimento.

Porque nos fechamos ao amor?

Por outro lado temos também os casos em que a felicidade é aparente, meticulosamente montada, e aqueles dois seres têm um acordo tácito de se manterem juntos, energicamente distantes, equivocadamente conformados, fechando lentamente a entrada de amor nas suas vidas. Mais uma vez rejeitamos a vibração amorosa.

Porque não se separam...?


Resposta do António a este desafio:

Magda,

«Malo, malo malo eres,
no se daña a quién se quiere»

Gostei muito do teu texto.

Andamos os dois tão enfronhados nesta coisa da "oficina amorosa", a queremos preparar tudo, para explicarmos o que nem nós percebemos bem (falo por mim, claro).
E eu assino por baixo, lol.

Se, às vezes, nem conseguimos manter uma mera relação cordial com as pessoas à nossa volta.

Se, por uma questão de bom ou mau humor (estado anímico) descambamos com facilidade em «tonterias» (como diria a nossa amiga Concha).

Se, com os medos mencionados (e muito bem) pela Samsara, ficamos imobilizados na nossa própria vida e infernizamo-nos e aos outros.

Há muitos «ses»... Que se traduzem modernamente apenas nisto [em meu entender, claro!]:

E a propósito de muitos “Ses”, convido-vos a ler um poema magnífico de Rudyard Kipling, “IF”

1) Porque o ser humano frequentemente se equivoca e confunde a emoção conhecida por «desejo sexual» com a energia básica que todos possuímos conhecida por «amor». O resto acontece por osmose cultural. Aquilo que deveria ter-se ficado por…

2) Porque o «desejo sexual» é atávico e faz parte da natureza biológica do homem/animal. É bom que seja praticado.

3) Porque o «amor» não é biológico. No entanto, pode parecê-lo. O amor é inerente à condição da alma. (Uso aqui a palavra alma no sentido corriqueiro que as pessoas dão a esta palavra, mas tu sabes o que penso ser a alma - é apenas o nosso interruptor para os nosso corpos superiores.

4) Porque a «personalidade/ego» trata das coordenadas das coisas. E coordenar «desejo sexual» e «amor» não é coisa fácil. Nada mesmo. Porque a missão principal do ego/personalidade é evitar que a pessoa sofra. Essa é a sua função primária. Por isso se falar tanto em auto-estima. Os exemplos desta função primária do ego/personalidade estão muitíssimo bem retratados nos exemplos dados pela Samsara. Melhor não poderia ter sido retratado.

5) Porque igualmente não permitimos que a alma trate da qualidade das coisas. Ao taparmos a voz da alma em detrimento da voz da «mente/personalidade/ego» fica tudo esfrangalhado. Porque mesmo que se deixe a alma falar, e ela sabe sempre quando o amor acontece ou quando desaparece, não nos permitimos viver de acordo com isso. Por medo.

6) O resultado prático é que muitas e muitas pessoas casadas (as estatísticas destas coisas falam em 65% - um número assustadoramente alto) preferem viver mais ou menos assim: as mulheres casadas optam por ter um marido e um amante de cada vez (fica fino dizer «namorado») e os homens casados optam por ter a mulher e muitos casos sexuais, de preferência, de forma errática, não sequencial. A eles nem lhes passa pela cabeça considerá-las «namoradas». Não passam de um «affair». Obviamente, também numerosos exemplos de homens com «mulher» e «namorada/a outra».

Assim, não se vai muito longe. É apenas o caminho habitual da «Escola do Sofrimento».

Besitos

António

9 comentários:

Maria Paula Ribeiro disse...

Olá Magda,

"Qual a razão para dois seres supostamente unidos por amor, chegarem a estados de profundo desamor? Porque não se separam?"

Simplesmente porque o suposto não se concretizou...se o fosse realmente (unidos pelo amor) nem seria necessário ler o resto da pergunta.

:-) Boas "oficinas amorosas"

Abraço

Samsara disse...

Porque não se separam?

Por medo do desconhecido, somos animais de hábitos, até ao mal nos habituamos.
Pelos filhos
Por questões financeiras
Por questões morais, princípios enraízados na infância
Penso que estes são os mais importantes, os mais fortes, muitos outros haverão.
Beijinhos

António Rosa disse...

Magda,

«Malo, malo malo eres,
no se daña a quién se quiere»


Gostei muito do teu texto.

Andamos os dois tão enfronhados nesta coisa da "oficina amorosa", a queremos preparar tudo, para explicarmos o que nem nós percebemos bem (falo por mim, claro).

Se, às vezes, nem conseguimos manter uma mera relação cordial com as pessoas à nossa volta.

Se, por uma questão de bom ou mau humor (estado anímico) descambamos com facilidade em «tonterias» (como diria a nossa amiga Concha).

Se, com os medos mencionados (e muito bem) pela Samsara, ficamos imobilizados na nossa própria vida e infernizamo-nos e aos outros.

Há muitos «ses»... que se traduzem modernamente apenas nisto [em meu entender, claro!]:

1) Porque o ser humano frequentemente se equivoca e confunde a emoção conhecida por «desejo sexual» com a energia básica que todos possuímos conhecida por «amor». O resto acontece por osmose cultural. Aquilo que deveria ter-se ficado por

2) Porque o «desejo sexual» é atávico e faz parte da natureza biológica do homem/animal. É bom que seja praticado.

3) Porque o «amor» não é biológico. No entanto, pode parecê-lo. O amor é inerente à condição da alma. (Uso aqui a palavra alma no sentido corriqueiro que as pessoas dão a esta palavra, mas tu sabes o que penso ser a alma - é apenas o nosso interruptor para os nosso corpos superiores.

4) Porque a «personalidade/ego» trata das coordenadas das coisas. E coordenar «desejo sexual» e «amor» não é coisa fácil. Nada mesmo. Porque a missão principal do ego/personalidade é evitar que a pessoa sofra. Essa é a sua função primária. Por isso se falar tanto em auto-estima. Os exemplos desta função primária do ego/personalidade estão muitíssimo bem retratados nos exemplos dados pela Samsara. Melhor não poderia ter sido retratado.

5) Porque igualmente não permitimos que a alma trate da qualidade das coisas. Ao taparmos a voz da alma em detrimento da voz da «mente/personalidade/ego» fica tudo esfrangalhado. Porque mesmo que se deixe a alma falar, e ela sabe sempre quando o amor acontece ou quando desaparece, não nos permitimos viver de acordo com isso. Por medo.

6) O resultado prático é que muitas e muitas pessoas casadas (as estatísticas destas coisas falam em 65% - um número assustadoramente alto) preferem viver mais ou menos assim: as mulheres casadas optam por ter um marido e um amante de cada vez (fica fino dizer «namorado») e os homens casados optam por ter a mulher e muitos casos sexuais, de preferência, de forma errática, não sequencial. A eles nem lhes passa pela cabeça considerá-las «namoradas». Não passam de um «affair». Obviamente, também numerosos exemplos de homens com «mulher» e «namorada/a outra».

Assim, não se vai muito longe. É apenas o caminho habitual da «Escola do Sofrimento».

Besitos

António

António Rosa disse...

Magda, depois de ler notei várias gralhas no meu texto. :)))

Magda Moita disse...

Olas Paula!

Gostas-te da musica?

Estas oficinas estão a dar cabo de mi cabecita, lol...

O ser humano em vez de se permitir experimentar, viver, e como diria a Florbela Espanca: "Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar", vive na maionese dos tremendos equívocos!

Besos Guapa

Magda

Magda Moita disse...

Olá Samsara!

Obrigada pela visita e pela sua útil participação neste desafio.

Todas as razões que mencionou são muitíssimo validadas. Quando o ser humano não tem consciência, que estas razões que apresenta, não são os principais alicerces de uma relação amorosa, os "vírus" instalam-se dando lugar ao vazio entre duas pessoas.

Beijo,

PS: gostava de conhecer o seu espaço, mas não sei porque não consegui aceder.

Magda Moita disse...

Olis António!

Com gralhas ou sem gralhas o teu comentário vai passar a front page!

Besos

Magda

António Rosa disse...

INFORMAÇÃO:

O Jeffrey Kishner remodelou o seu site «Astrology Bloggers Directory», tornando mais fácil a inscrição neste directório.

Todos os blogs (em todas as línguas) que estavam no antigo site, se quiserem, podem inscrever-se novamente. Foi o que fiz.
Quem nunca se tinha inscrito, pode fazê-lo agora.

Entre por aqui:

http://astrologybloggers.com

Depois: «Add Your Blog».

A partir daqui é um pode ser um pouco confuso.

Clica em «Go to... xxxx...» sem esquecer usar o username «guest» e a password «quincunx».

É só preencher e escolher se quer ficar na área «english» ou «portuguese» :)

Pode-se inscrever os blogs de astrologia que entendermos.

Sugestão: recomendo que uma das tags a usar seja o nome do seu blog.

Vou deixar este aviso em outros blogs.

Abraço

António Rosa

李小龍Paul disse...

cool!i love it!AV,無碼,a片免費看,自拍貼圖,伊莉,微風論壇,成人聊天室,成人電影,成人文學,成人貼圖區,成人網站,一葉情貼圖片區,色情漫畫,言情小說,情色論壇,臺灣情色網,色情影片,色情,成人影城,080視訊聊天室,a片,A漫,h漫,麗的色遊戲,同志色教館,AV女優,SEX,咆哮小老鼠,85cc免費影片,正妹牆,ut聊天室,豆豆聊天室,聊天室,情色小說,aio,成人,微風成人,做愛,成人貼圖,18成人,嘟嘟成人網,aio交友愛情館,情色文學,色情小說,色情網站,情色,A片下載,嘟嘟情人色網,成人影片,成人圖片,成人文章,成人小說,成人漫畫,視訊聊天室,性愛,情色,日本a片,美女,成人圖片區