15 junho 2007

Vulcano ou Hefaístos




Vulcano, para o Gregos, é também o equivalente romano do helénico Hefaístos.

Consta que este planeta terá sido visto pela primeira vez dentro da órbita de Mercúrio, em 1860 por astrónomo amador Lescarbault, que calculou a sua órbita e contactou Le Verrier, para que este confirmasse a sua descoberta. Le Verrier levou a cabo imensos estudos embora, sem sucesso, mas enamorado pelo planeta, chamou-o de Vulcano. O planeta só voltaria a ser visto por volta de 1971, acreditando-se no entanto que se trataria de um cometa fraco que eventualmente acabaria por colidir com o Sol.

Este hipotético planeta foi conotado como regente esotérico de Touro, embora a sua representação gráfica nos mapas natais seja rara, alguns programas determinam a sua colocação e é representado por um triângulo equilátero, com uma seta ascendente.

Vulcano ou Hefaístos era filho de Hera e de Zeus, reza a história que terá sido expulso do Olimpo por ter tomado partido de sua mãe durante um grande desentendimento entre os pais. Zeus indignado e furioso, terá pegado numa das pernas de Vulcano e lançou-o para fora do Olimpo. Com a queda, Vulcano ficou paraplégico, para além de ter ficado extremamente deformado. Outras versões dizem que nasceu muito feio e Hera, com vergonha da sua criação, o terá lançado para fora do Olimpo, e com a queda, terá ficado enfermo.

Excluído da morada dos deuses e sujeito às leis da matéria, Vulcano dedicou-se afincadamente à arte da forja, e, dominando qualquer tipo de metais, consegue forjar duas belíssimas pernas, dando-lhes vida, alcança a sua autonomia.

Vulcano ou Hefaístos parecia compensar a sua feiura dedicando-se de forma compulsiva ao trabalho. A sua habilidade, dedicação e imensa criatividade permitia-lhe gerar objectos divinos, e passou a ser procurado pelos Deuses, para que este lhes fizesse armaduras, espadas, e escudos divinos que os impediam de se magoar durante as batalhas.

Costumava fazer todas as espécies de trabalhos. Forjou raios para Júpiter e armas para Aquiles, e jóias para as deusas. Presidia o poder utilitário do fogo, a metalurgia e os trabalhos manufacturados com metal. O martelo era o seu símbolo sagrado. Foi de tal modo apreciado pelas suas obras que o convidaram a retomar o Olimpo, concedendo-lhe o lugar de Deus do Fogo, Deus ferreiro, rei do ferro, bronze, ouro e prata.

Vulcano é o patrono dos que tem deficiências físicas, é a forja das enfermidades, a transformação e a alquimia dos recursos matérias, por isso ser o regente esotérico de Touro.

Torna divinas as suas próprias limitações, aceitando-as, torna-as um meio para se transformar a si, e depois os outros, uma vez que depois de ter forjado as suas próprias pernas mágicas passou a ser querido e respeitado por todos os outros Deuses.

Vulcano é a alquimia, é o forjar criativamente uma solução para as nossas enfermidades, usando-as como matéria-prima, para as superar.

Onde Vulcano se encontra no nosso mapa (Casa), encontramos a área da nossa vida onde se situa a nossa fraqueza, e o signo onde ele está, a natureza dessa mesma inquietação. Uma vez que a compreendamos, utilizaremos essa mesma incapacidade, como fórmula alquímica, que nos permite transcender as limitações da matéria.

Vulcano havia acreditado até então, que por ser tão feio e desajeitado, jamais seria notado por uma mulher, por isso havia forjado duas belíssimas deusas às quais deu vida, transformando-as em suas companheiras.

Reza a historia, que no seu regresso ao Olimpo, a sua mãe Hera oferece-lhe Afrodite como esposa, como forma de o compensar do sofrimento infligido.

Touro, com a sua regência de Vénus, Afrodite na Grécia, representa as paixões sensoriais existentes no Homem que deverão ser superadas no seu processo de crescimento interno, Vulcano.

Encontrará mais textos, desta mesma natureza em Escola de Astrologia Nova-Lis

8 comentários:

Fallen Angel disse...

Uma quadriga de fogo que tinha um compromisso com o sol... rasgou o espaço e o tempo, cruzou céus e horizontes, até enfim se encontrarem... louco acto de amor nessa colisão... e, como em tudo, o fogo ao fogo. Chama a chama.

( Visão muito pessoal do célebre planeta e do seu destino )..

Beijos. Bom fim de semana, Magda. :-)

António Rosa disse...

Magda,

Nos últimos anos da minha vida tenho sentido intensamente este Vulcano, regente esotérico de Touro (que o tenho no Ascendente), apesar de ter a regente tradicional, Vénus, na minha casa 2, espaço que pertence igualmente a Touro.

É viver na corda bamba. É viver para aprender a desconstruir as coisas da matéria. A aprendizagem forçada do desapego, mesmo o sentimental. É quando ficamos desgarrados, feridos e incapazes que surge a possibilidade de olhar bem para nós mesmos. É naquele milésimo de segundo em que, completamente desnudos da nossa carapaça, surge o relâmpago que nos faz subir à tal quadriga de fogo (comentada pelo Fallen Angel) e avançamos pelo terreno desconhecido, processando a alquimia de Vulcano.

É assim que vamos criando ferramentas do desapego e com esta chega a capacidade de doação. É o que tu e eu, assim como o Fred, fazemos diariamente com o nosso site de astrologia. Uma permanente desconstrução das fronteiras rígidas da velha e saborosa astrologia e o surgimento de ideias novas, mais preparadas para o diálogo das almas.

Uma beijoka,

Fallen Angel disse...

Olá Magda.. o comentário que aqui fiz « inspirou-me » um texto... venho agradecer-te por isso. :-)

( Acontecem estas coisas, por vezes.. que nos fazem sorrir..)

Magda Moita disse...

Olá, Pai da minha Alma (António)!

Pois é, como eu me identifico com as tuas palavras, é quando atravessamos a escuridão, que percebemos o quanto nós mesmos possuímos iluminação. É no quarto escuro que percebemos a capacidade de iluminação de uma vela.

É naquele milésimo de segundo, que o caminho volta a iluminar-se, processando a alquimia de Vulcano, recebemos e dá-mos o máximo de nós.

Na identificação, na doação, os três criamos, e construímos diariamente, uma escola de pensamento.

Abraço fofo


Olá fallen angel!

Fico contente por ter sido “interveniente” em tão belo momento de inspiração.

Beijo e obrigado pela visita.

A Mónada disse...

Ao António e à Magda um abraço fraternal... Gostei do texto do post mas sei bem o que o António sente...com a fallen a ajudar este espaço está muito inspirado e cheio de LUZ.

Bem hajam

Fiquem bem

Carreira disse...

Criei um blogue de opinião que agora estou a divulgar.
Se tiver interesse, não deixe de fazer uma visita: http://www.cegueiralusa.blogspot.com/
Caso goste, por favor divulgue, pois pretende ser mais um espaço de discussão em busca de uma cidadania mais activa.
O meu muito obrigado.
Com os melhores cumprimentos,
José Carreira

António Rosa disse...

Informação:

Vale a pena conhecer a "Comunidade Espiritual" (virtual) que está a ser criada [quase pronta] por Pedro Elias.

Uma obra fascinante, que será uma referência para a língua portuguesa.

Conheçam no seguinte endereço:

http://www.horiah.org/comunidade_espiritual

Magda Moita disse...

Olá Monada!

Um abraço grande também para ti!

Fica bem, beijos luminosos!


Bem vindo Carreira!

Irei visitar o teu espaço, obrigado pela visita.

Cumprimentos.



Olá António!

Vale mesmo a pena visitar a comunidade que está em franca expansão. Muito em breve farei um post aqui a anunciar.

Beijos fofos.

Magda